segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Aurora misteriosa em pólo de Saturno


Ao estudar o pólo norte de Saturno, a sonda ‘Cassini’ fez uma descoberta surpreendente, usando imagens no infravermelho: Saturno tem uma aurora própria, diferente de tudo o que se conhece dos outros planetas do Sistema Solar.




As auroras são causadas por partículas carregadas electricamente que entram no campo magnético dos planetas. As partículas fluem pelas linhas de campo magnético e dão um espectáculo multicolorido para quem estiver em latitudes altas o suficiente. Auroras desse tipo não são raras e são observadas na Terra, em Júpiter e em Saturno, mas agora essa descoberta cria uma nova categoria de auroras.

As teorias actuais dizem que esta região de Saturno não deveria formar auroras, mas ao observar o seu pólo norte, justamente sobre o famoso e misterioso hexágono formado pelas nuvens da atmosfera, a ‘Cassini’ descobriu uma formação circular que praticamente acompanha as nuvens.

Esse comportamento leva a uma hipótese: além de causada pelo campo magnético de Saturno, esta nova aurora deve interagir também (de uma maneira ainda desconhecida) com a atmosfera local.

sábado, 19 de dezembro de 2015

Japão lançou satélite que vai monitorizar gases com efeito de estufa

A fotografia dos gases com efeito de estufa concentrados na atmosfera do planeta poderá ser tirada em cem minutos, o tempo que leva o satélite lançado hoje pelo Japão, do Centro Espacial Tanegashima, em Kagoshima, a orbitar a Terra. O Ibuki (GOSAT: Greenhouse Gases Observing Satellite) vai monitorizar a concentração, distribuição e ciclos de absorção dos gases com efeito de estufa a partir do espaço, anunciou hoje a agência espacial japonesa (Jaxa). Dito de outra forma: Ibuti vai ver a respiração do planeta.

Quando perguntaram a Takashi Hamazaki, cientista coordenador do projecto, o que esperava do satélite, o cientista respondeu: "Eu gostava de ver a Terra respirar. Gostava de ter um modelo visual da Terra e da inalação e emissão de dióxido de carbono e metano dos seus vários ecossistemas".

Talvez por isso, o satélite lançado hoje pelo foguetão H-IIA F15, foi chamado Ibuki ("respirar", em japonês). O nome foi escolhido pelos cidadãos, chamados a participar num concurso aberto entre Julho e Setembro de 2008 para se tornarem "padrinhos" do projecto, iniciativa da Jaxa, do Instituto japonês de Estudos Ambientais e do Ministério do Ambiente.

A Jaxa acredita que o projecto que tem em mãos, com capacidade para medir os níveis de absorção e emissão de gases por continente ou país com dimensão significativa, é pioneiro. "Não temos um método comum para medir, com precisão, os gases com efeito de estufa" do planeta, comenta a agência em comunicado. "O Ibuki é o primeiro satélite do mundo que pode criar esses critérios comuns", passíveis de serem partilhados por todos os que lutam contra as alterações climáticas.

Equipado com dois sensores, o Ibuki vai seguir os raios infravermelhos da Terra, o que vai ajudar a calcular as densidades do dióxido de carbono e metano porque estes dois gases absorvem os raios em determinados comprimentos de onda.

A partir da sua órbita em redor da Terra, o Ibuki vai medir as densidades de dióxido de carbono e metano em quase toda a superfície do planeta. Será possível recolher dados de 56 mil locais à superfície da Terra, incluindo a atmosfera sobre o mar aberto. A actualização será feita de três em três dias. Até ao final de Outubro existiam apenas 282 locais de observação terrestre, a maioria nos Estados Unidos, Europa e outras regiões industrializadas, explicou a Jaxa.

Mas a fotografia da "respiração da Terra" não ficará pronta tão cedo. Segundo Takashi Hamazaki, durante os primeiros três meses, "todas as funções do satélite serão testadas. Nos três meses seguintes, a informação será recolhida e calibrada com os dados observados na Terra. Só depois de termos verificado o seu rigor é que o GOSAT começará, finalmente, a cumprir a sua missão".

As autoridades esperam que a informação a recolher reforce a investigação sobre os gases com efeito de estufa, incluindo os relatórios elaborados pelo Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas (IPCC), das Nações Unidas.

O satélite “vai contribuir para aumentar as certezas do IPCC de que os gases com efeito de estufa estão a aumentar”, comentou Yasushi Tadami, vice-director da investigação e informação do Ministério do Ambiente, citado pela Reuters. Além disso, as novas informações vão “fazer avançar a investigação sobre o mecanismo dos ciclos de carbono”.

A agência espacial norte-americana (NASA) está a preparar o lançamento, este ano, do Orbiting Carbon Observatory para medir o dióxido de carbono na atmosfera terrestre.

Ambos os satélites surgem quando cerca de 190 países estão a negociar o sucessor do Protocolo de Quioto, que termina em 2012, para combater as alterações climáticas.

Mas a informação sobre as densidades dos gases com efeito de estufa podem não estar prontas para a conferência de Copenhaga (30 de Novembro a 11 de Dezembro), de onde deverá sair o substituto de Quioto. Apesar disso, Tadami salienta que os dados serão preciosos para delinear políticas climáticas futuras. “O satélite vai estar em órbita cinco anos e esperamos que, durante esse tempo, os dados conduzam a políticas climáticas mais detalhadas”, comentou Tadami.

Na semana passada, Yvo de Boer, director da Convenção Quadro da ONU para as Alterações Climáticas, comentou que “sermos capazes de medir o que está a acontecer é incrivelmente importante para desenvolver uma robusta resposta internacional às alterações climáticas”.

Helena Geraldes

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Via Láctea em rota de colisão

A Via Láctea é maior, mais rápida, mais pesada e corre maior risco de colisão com galáxias vizinhas do que se imaginava. Segundo um novo estudo, feito por um grupo internacional de cientistas, a velocidade de rotação da galáxia é aproximadamente 165 mil quilómetros por hora superior à estimada em medições anteriores.


A diferença de velocidade é suficiente para fazer com que a massa da Via Láctea seja 50% maior, aproximando-a ainda mais da vizinha galáxia de Andrómeda, que se encontra a uma distância de 2,5 milhões de anos-luz, segundo a pesquisa apresentada no último encontro da Sociedade Astronómica dos Estados Unidos, em Long Beach, na Califórnia, que se realizou recentemente.

O Sistema Solar está a cerca de 28 mil anos-luz do centro da Via Láctea. Segundo as novas observações, o sistema desloca-se a cerca de 990 mil km/h na órbita galáctica, mais do que a velocidade estimada até então, de 825 mil km/h. Os cientistas estão a utilizar o VLBA, Very Long Baseline Array, sistema de dez radiotelescópios espalhados pela América do Norte que, juntos, permitem um grau de resolução sem precedentes na Astronomia, capaz de produzir imagens extremamente detalhadas, para refazer o mapa da Via Láctea.

Os resultados indicam que a Via Láctea é cerca de 15% mais larga e terá mais 50% de massa do que se pensava, o que a equipara a Andrómeda, considerada até hoje a maior galáxia do nosso grupo local de galáxias. A massa maior aumenta a força da gravidade da Via Láctea, sugerindo que colisões com a Andrómeda e outras galáxias vizinhas possam acontecer muito antes do que se calculava, ainda assim, dentro de milhares de milhões de anos.

O facto de as observações científicas terem sido feitas do interior da galáxia dificulta as medições e o estudo da sua estrutura, algo mais simples para as restantes, das quais se pode obter uma imagem geral.

Até agora, o valor das magnitudes da Via Láctea era calculado por medições indirectas. No entanto, os radiotelescópios VLBA registam imagens de alta qualidade e medidas directas de distâncias e movimentos que não dependem de outras propriedades, como o brilho.

A Via Láctea, a Andrómeda e cerca de 40 outras galáxias mais pequenas constituem a nossa vizinhança galáctica, com o nome de Grupo Local, com dez milhões de anos-luz de diâmetro.


Por este Grupo Local de galáxias estar unido pela gravidade, há quebra de uma regra geral: as galáxias por todo esse Universo estão a afastar-se umas das outras.


Recentemente, foram descobertas novas evidências de que Andrómeda não é tão grande por acaso. O seu tamanho teria sido conquistado à custa da massa de galáxias vizinhas.


Uma colisão fundirá ambas numa imensa galáxia elíptica. De qualquer forma, isso levará não menos do que três mil milhões de anos – podendo coincidir com a morte do Sol.


Através de simulações de computador, os cientistas descobriram que há uma possibilidade entre 37 de acabarmos por viver na outra galáxia – a majestosa Andrómeda.


Finalmente, quando as estrelas acharem o seu lugar na nova casa, após um processo dinâmico, qualquer alusão do que foram a Via Láctea ou a Andrómeda terá desaparecido.


A Via Láctea e Andrómeda (em cima) aproximam-se a cerca de 480 000 km/h, mas ainda não se sabe com certeza se haverá uma colisão frontal ou apenas uma interacção (ao lado). Uma colisão fundirá ambas numa imensa galáxia elíptica.


Mário Gil

terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Colisão no espaço: satélite norte-americano e satélite russo em primeiro acidente do género

Um satélite de comunicações norte-americano e um satélite “morto” russo colidiram no espaço – o primeiro acidente do género –, a quase 800 quilómetros de distância da Terra, algures sobre a Sibéria, revelou hoje a NASA. O acidente, que ocorreu na terça-feira, não inspira receios de ameaça à Estação Espacial Internacional (ISS).

Os dois engenhos, o norte-americano propriedade da empresa privada Iridium Satellite LLC e o russo, também de comunicações, já fora de operacionalidade há mais de dez anos, embateram a uma velocidade de 670 quilómetros por minuto. O Pentágono e a NASA crêem que serão necessárias “várias semanas” para determinar a total magnitude da colisão e dos seus efeitos.

“Cremos que esta foi a primeira vez que dois satélites colidiram em órbita”, sublinhou em conferência de imprensa o coronel Les Kodlick, porta-voz do Comando Estratégico dos Estados Unidos. A mesma fonte notou que a nuvem de detritos resultante do choque pode criar problemas potenciais para as operações no espaço, mas que não ameaça a integridade da ISS.

domingo, 13 de dezembro de 2015

Descoberto o mais pequeno exoplaneta de que há registo

Cientistas da Agência Espacial Francesa descobriram o mais pequeno exoplaneta (planeta fora do sistema solar) de que até agora existe registo. O exoplaneta mede menos do dobro da terra e está na órbita de uma estrela semelhante ao sol.

De acordo com os cientistas franceses, o corpo celeste que agora foi descoberto pode ser rochoso como a terra, porém as suas temperaturas são tão altas que possivelmente está coberto por lava ou por vapor de água.

“Esta descoberta é um passo muito importante no caminho de perceber a formação e evolução do nosso planeta”, referiu Malcolm Fridlund, da Agência Espacial Europeia, que também participa na missão.

“Pela primeira vez, detectámos inequivocamente um planeta que é ‘rochoso’, no mesmo sentido, que a Terra”, assegurou Fridlund.

Cerca de 330 exoplanetas foram já encontrados na órbita de outras estrelas, que não o Sol, muitos dos quais são gigantes de gás com características idênticas a Júpiter ou Neptuno.

A nova descoberta, chamada de COROT-Exo-7b, é diferente. Orbita muito próximo da sua estrela em cada 20 horas, com temperaturas máximas que vão dos 1000 aos 1500 graus Célsius.

Os astrónomos, usando um telescópio orbital, acharam o planeta, quando este passou em frente ao seu sol, diminuindo a luz.

A maior parte dos exoplanetas tem sido descoberta com o recurso a medidas indirectas, na sua maioria olhando aos efeitos que têm nos campos gravitacionais dos seus sóis.


Reuters

sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

Irão coloca satélite em órbita

O Irão conseguiu colocar em órbita o seu primeiro satélite Ormid, transportado para o Espaço num foguetão Safir-2, anunciou esta terça-feira a agência noticiosa iraniana Fars.


'É o primeiro satélite na História da nossa nação a ser lançado e foi transportado pelo foguetão Safir-2', precisou uma fonte citada pela agência Fars. A agência oficial Irna indicou que o lançamento do satélite para o Espaço ocorreu segunda-feira à noite.

Já no final de Novembro, o regime iraniano havia anunciado que tinha lançado com êxito para o Espaço o foguetão Kavoshgar-2 e recuperado a sonda que ele transportava.

A França já mostrou "preocupação" com o lançamento deste primeiro satélite iraniano, com o Ministério dos Negócios Estrangeiros a sublinhar que "a tecnologia utilizada é muito semelhante às capacidades dos mísseis balísticos". Público

quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Marte dá sinal de vida

Observações da atmosfera de Marte, entre 2003 e 2008, feitas por três telescópios no Havai, mostram uma grande quantidade de metano – gás tipicamente envolvido em processos biológicos – misturado com vapor de água, produzido por fontes existentes em áreas aquecidas no hemisfério Norte.


O metano – cuja molécula é formada por quatro átomos de hidrogénio ligados a um átomo de carbono – é de grande interesse para os cientistas que procuram vida fora da Terra, porque os organismos vivos libertam grandes quantidades de metano quando digerem nutrientes.

Contudo, processos puramente geológicos também podem liberar o gás, como é o caso da oxidação do ferro ou actividade vulcânica. Mas não há qualquer evidência da existência actual de vulcões no planeta. O metano pode ter ficado aprisionado em ‘cavernas’ de gelo por milhares de milhões de anos e agora estar a ser libertado.

Na Terra, 90% do metano é produzido por bactérias e a descoberta deixa-nos ainda mais esperançados porque o próximo robô, em 2011, terá a capacidade de detectar metano e até micróbios que se alimentam dele.

Se organismos marcianos estiverem a produzir metano, provavelmente residem muito abaixo da superfície, onde é quente o suficiente para que a água permaneça em estado líquido. A água em estado líquido, assim como uma fonte de energia e um suprimento adequado de carbono, são necessários para manter todas as formas de vida conhecidas pelo homem.

Mário Gil

sábado, 5 de dezembro de 2015

Futuro robô espacial terá só duas rodas

A experiência de cinco anos dos robôs ‘Spirit’ e ‘Opportunity’ em Marte ditaram novo objectivo: construir um robô pequeno e versátil, capaz de subir ladeiras íngremes, andar sem problemas por terrenos altamente irregulares e entrar e sair de crateras profundas.


Assim, engenheiros da NASA e do Instituto de Tecnologia da Califórnia criaram o ‘Axel Rover’, o mais recente e leve robô espacial, que tem apenas três motores, um para cada uma das duas rodas e um terceiro para controlar uma espécie de braço, que se estende a partir do centro do corpo cilíndrico onde se encontra todo o seu "cérebro electrónico".

O aparelho tem ainda sistemas de comunicação sem fios e um sistema de sensores inerciais, que o tornam capaz de cumprir o trajecto autonomamente, quaisquer que sejam as características do relevo.
C.M.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

À procura do tradutor cósmico

A Ciência também procura extraterrestres – os astrónomos fazem-no movidos pelo mesmo tipo de convicções do que aqueles que acreditam que não estamos sós no Universo. Até recentemente, a noção de vida extraterrestre – e muito menos de inteligência – era completamente especulativa porque não podia ser examinada por métodos científicos.


Mas progressos científicos numa ampla frente durante as últimas décadas convergiram para uma certeza: com a descoberta de mais de 300 planetas extrassolares é mais provável que exista vida extraterrestre do que não, onde as condições são favoráveis; de que a vida possa estar amplamente espalhada pelo Universo; e de que existem sérias possibilidades de que a humanidade possa ser capaz de comunicar com outras civilizações técnicas.

Muitos sinais poderão estar a viajar no espaço sideral a caminho do nosso planeta, mas há que encontrar um sistema de tradução que decifre o que querem dizer.

Uma experiência a bordo de um balão estratosférico da NASA detectou recentemente um sinal cósmico misterioso em frequência de rádio. A descoberta foi anunciada durante a 213ª Reunião da Sociedade Astronómica Americana, por cientistas que participam no projecto ARCADE (Absolute Radiometer for Cosmology, Astrophysics, and Diffuse Emission). A equipa detectou o sinal quando realizava medidas em microondas à procura da energia emitida pelas primeiras estrelas.

A imensa maioria dos objectos cósmicos emite ondas de rádio, mas não existe um número suficiente de galáxias no Universo que possa explicar a intensidade do sinal detectado. As galáxias teriam de estar praticamente coladas umas às outras, não havendo nenhum espaço entre elas para que o sinal dessas fontes pudesse ser medido com essa intensidade. Será uma mensagem de uma remota civilização extraterrestre?


MENSAGENS RECEBIDAS

1.Geralmente são as antenas parabólicas gigantes que detectam ondas de rádio provenientes de estrelas longínquas mas, desta vez, um misterioso sinal cósmico foi registado por um balão estratosférico

2. Chips capazes de realizar 50 mil milhões de cálculos por segundo identificam as ondas de rádio que podem ter origem em civilizações extraterrestres e separam-nas do ruído de fundo do Universo

3. O computador analisa os dados facilitados pelos chips e avisa os cientistas quando detecta um sinal que pode corresponder a vida inteligente extraterrestre



LINGUAGEM MATEMÁTICA

Segundo alguns cientistas, se existem extraterrestres inteligentes, estes deviam entender a matemática já que toda a forma de vida inteligente necessita de tratar com constantes de espaço, tempo e matéria

RAIOS LASER

Alguns dos projectos SETI procuram outro tipo de sinais diferentes dos das ondas rádio. Se os extraterrestres utilizassem, por exemplo, raios laser, seria possível detectar a sua luz mesmo a 50 anos-luz. Um método simples para comunicar

MÚSICA

A música como veículo de comunicação é uma velha teoria . Se uma inteligência extraterrestre desenvolveu música esta deveria partilhar características com a nossa pois as escalas que se podem utilizar universalmente só podem ter de 5 a 31 tons

MENSAGENS EMITIDAS

CARTÕES-DE-VISITA CÓSMICOS

As sondas 'Pioneer' 10 e 11 já abandonaram o sistema solar com cartões- de-visita cósmicos: uma placa a bordo nas quais estão gravadas mensagens gráficas. Indica como é o ser humano, o seu tamanho em relação às sondas e a posição da Terra no nosso Sistema Solar

LP PARA EXTRATERRESTRES

Os cientistas da missão 'Voyager' decidiram enviar informações sobre o nosso Mundo e a nossa civilização. A solução óbvia foi fazer uso de uma tecnologia muito conhecida na época: a dos discos LP, capazes de armazenar informação em gravura que uma agulha traduz em sinais electromagnéticos

CONVERSANDO COM O ESPAÇO

É de cientistas do SETI a autoria da emissão da mensagem de Arecibo, enviada em 1974 pelo maior radiotelescópio do Mundo para o agrupamento de estrelas M13, na constelação de Hércules e levará 25 mil anos até ao destino.

Mário Gil

terça-feira, 1 de dezembro de 2015

Foguetão da NASA falha lançamento de satélite

Um satélite da NASA que devia ter sido ontem colocado em órbita para medir os níveis de dióxido de carbono na atmosfera caiu no mar, junto à Antárctica, após uma falha no lançamento. Três minutos após a descolagem, às 09h55 de Lisboa, da base de Vandenberg, Califórnia, o ‘Taurus XL’ despenhou-se. "O revestimento do satélite não se separou como devia e o peso extra foi fatal", explicou Chuck Dovale, da NASA, que anunciou a abertura de uma investigação. Esta foi a primeira vez que a NASA utilizou o ‘Taurus XL’, um foguetão de 27 metros que se estreou em 1994 e que ontem registou o segundo acidente em oito lançamentos.


O satélite OCO (Observatório de Carbono em Órbita) representou um investimento de 210 milhões de euros, demorou nove anos a ser construído e era o primeiro destinado a medir o CO2 da atmosfera. O objectivo era perceber em que pontos do Globo o dióxido de carbono é produzido e absorvido. Actualmente não se sabe como é absorvido 20% do CO2 produzido pelo homem, descoberta que pode ajudar a perceber as alterações climáticas futuras.

B.E.

domingo, 29 de novembro de 2015

NASA escolheu lua Europa para procurar formas de vida no sistema solar

Europa versus Titã. São duas luas do sistema solar exterior, ambas rodando em torno de gigantes gasosos, mas diferentes uma da outra quanto é possível duas coisas serem diferentes entre si. Uma está na órbita de Júpiter e tem uma crosta de gelo indicando a presença a grande profundidade de um oceano submarino. A outra está na órbita de Saturno e tem uma atmosfera espessa, um clima tempestuoso, lagos de hidrocarbonetos líquidos, chuvas de metano e dunas de material orgânico da cor de uma plantação de café.

Ambas foram celebradas pelo cinema e pela literatura de ficção científica: Europa tem um papel chave no filme 2010, a sequela menor do clássico "2001: Uma Odisseia no Espaço"; Titã aparece em "As Sereias de Titã" como o lar de um viajante do planeta Tralfamadore perdido no espaço.

Na vida real, ambas são objectivos primários na busca pela existência de vida para lá da Terra. O problema é que não é simples nem barato enviar uma sonda para esses mundos distantes. A agência espacial norte-americana, a NASA, tem enfrentado uma perplexidade burocrática: qual das duas luas devia ser explorada em primeiro lugar?

Há muitos meses e anos que dois campos científicos refinam as respectivas propostas, cada um deles na expectativa de que a sua lua venha a se sancionada oficialmente como a próxima missão de bandeira da NASA no sistema solar exterior. Na semana passada, a resposta finalmente chegou: Europa e consequentemente todo o sistema de Júpiter serão os primeiros.

2020 e 2025

A missão ainda se encontra numa fase muito preliminar. Não haverá qualquer lançamento até 2020 e uma sonda só chegará ao sistema de Júpiter em 2025. A NASA apressou-se em dizer que isto não significava um retrocesso relativamente a Titã e ao sistema de Saturno, que continuarão a ter prioridade alta na lista das missões futuras, mas Europa era agora uma missão tecnicamente mais fácil. A NASA vai estar associada à Agência Espacial Europeia (ESA), que nessa altura terá uma sonda sua focada noutra lua de Júpiter, Ganimedes.

Europa foi a escolha certa? Depende do que se quiser procurar

Sondas não tripuladas no passado – em particular a Pioneer, a Voyager, a Galileo e a Cassini, ao longo das quatro últimas décadas – trouxeram-nos uma visão mais próxima do sistema solar exterior, cada nova e deslumbrante imagem levando a que ainda mais questões fossem colocadas relativamente a esses mundos exóticos. Mas quatro séculos após Galileu ter visto pela primeira vez as luas de Júpiter, estas só foram sobrevoadas por missões de passagem. O mesmo acontece em relação às luas de Saturno. O próximo passo é estacionar uma nave na órbita de uma destas luas e analisá-la com todos os instrumentos possíveis.

É mais provável que Europa tenha vida como a conhecemos, mas é possível que Titã tenha processos químicos exóticos que representam a vida em formas que desconhecemos.

“Será que a vida precisa de água em estado líquido ou poderão outros líquidos servir de hóspedes, se não para a vida como a conhecemos para algum tipo de organização química?”, interroga Jonathan Lunine, um astrofísico da Universidade do Arizona e um dos membros da equipa que defende a missão a Titã. “Estaríamos a testar os limites do significado real da palavra 'vida’ no cosmos”. Titã é certamente um mundo mais dinâmico e um viveiro do tipo de moléculas baseadas em carbono que fascinam os cientistas.

Mais rico e mais vasto

“Titã é um objectivo científico mais rico e mais vasto”, diz Ralph Lorenz, da Johns Hopkins University. “É um mundo onde processos que nos são familiares ocorrem em condições muito exóticas... É um laboratório prodigioso para explorarmos a forma como os planetas funcionam.”

Outra lua de Saturno entrou na conversa: Enceladus. A sonda da NASA Cassini, que continua em órbita de Saturno, descobriu que Enceladus tem géisers de água congelada no hemisfério Sul. Os cientistas gostariam de ver isso mais de perto.

Mas Europa tem grandes vantagens comparativamente a Titã. De um ponto de vista burocrático, esta era apenas a vez de Europa. Esta lua deveria ter sido o objectivo de uma missão cancelada há uma década e em 2003 foi considerada principal prioridade num estudo sobre possíveis missões planetárias realizado pela Academia Nacional das Ciências norte-americana. Entretanto, Titã foi estudada recentemente pela Cassini.

Duas naves e um balão

A proposta para Titã era complexa e envolvia uma nave que permaneceria em órbita, outra que se despenharia num lago de hidratos de carbono e um balão que percorreria a atmosfera captando imagens. A proposta para Europa requer apenas uma nave que permanecerá em órbita após fazer uma viagem por algumas das outras luas de Júpiter.

Entretanto, os russos disseram estar interessados em fazer aterrar um veículo espacial em Europa. Mas a NASA rejeitou essa proposta por enquanto, alegando um escasso conhecimento da superfície desta lua.

“Podíamos aterrar em Europa, mas é uma operação de alto risco. O problema é que não temos boas imagens de alta resolução em número suficiente. Não temos uma ideia suficientemente boa de como será a superfície”, disse Karla Clark, a principal analista da missão Europa.

Ficção científica

Reta Beebe, uma astrofísica na Universidade estadual do Novo México, diz que o veículo espacial ideal seria uma espécie de “hopper” [saltitão], concebido para aterrar na superfície e descolar passados poucos instantes, continuando depois a saltitar entre os blocos de gelo e os vales que tornam a superfície desta lua provavelmente impossível de explorar por um “rover” [veículo robotizado como os que foram colocados na superfície de Marte]. “É como se fosse ficção científica”, avisou.

Europa, Ganimedes e Titã têm todas oceanos submarinos, mas os de Europa são os que estão mais próximo da superfície. É pura especulação admitir que alguma coisa possa viver nesses oceanos, mas é conhecido que a vida na Terra resiste nos locais mais improváveis, das fendas hidrotérmicas nas profundezas mais obscuras dos mares ou nos lagos permanentemente cobertos de gelo da Antárctida.

“A vida propriamente dita, a vida mais simples, parece ser muito resistente e muito comum em toda a parte”, diz Beebe. Mas sobre a possibilidade de existir vida em Europa ou nas outras luas do sistema solar exterior acrescenta: “Não vai ser fácil de encontrar. Não espero que esses organismos sejam encontrados durante a minha vida”.



Exclusivo: PÚBLICO/Washington Post

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

NASA lança satélite para medir níveis de dióxido de carbono

Cerca de metade do total de dióxido de carbono produzido na Terra todos os anos permanece no ar, enquanto a outra metade desaparece. Para onde vai essa metade desaparecida é o que o satélite que a NASA lança amanhã pretende descobrir.

O Orbiting Carbon Observatory (OCO) será lançado a partir da base aérea de Vanderberg, na Califórnia, com o objectivo de medir as emissões de dióxido de carbono a um nível de detalhe sem precedentes. Com os dados recolhidos pelo satélite será possível fazer um mapeamento de todos os pontos terrestres de lançamento e absorção do principal gás responsável pelo aquecimento global.

Compreender melhor a circulação do dióxido de carbono entre a terra, o ar e o mar poderá ajudar os cientistas a fazer uma avaliação mais precisa do problema das alterações climáticas. Os oceanos e florestas são sumidouros naturais de uma grande parte deste gás, porém há anos em que o excesso de carbono permanece no espaço e outros em que, simplesmente, desaparece.

“Algo está a mudar dramaticamente”, revelou ao jornal “The New York Times” David Crisp, cientista do Jet Propulsion Laboratory da NASA e principal investigador da missão.

Antes da Revolução Industrial, os níveis de dióxido de carbono situavam-se nas 280 partes por milhão de moléculas de ar (unidade de medida utilizada para este gás). No entanto, hoje em dia os níveis subiram para as 387 partes por milhão e estima-se que aumentem consideravelmente nas próximas décadas.

Também os níveis de oxigénio serão medidos para que seja possível, por comparação, determinar as concentrações do dióxido de carbono no ar.

O OCO está equipado com três espectrómetros de alta resolução que permitirão fazer o rastreio dos pontos de emissão a 700 quilómetros de distância da Terra.

O lançamento do satélite para a órbita será feito no foguetão Taurus XL durante a madrugada de terça-feira, dia 24 de Fevereiro, e pode ser seguido em directo no blogue da NASA.

Patrícia Fernandes

quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Água terá corrido à superfície de Marte há menos tempo do que se pensava

A água terá corrido na superfície de Marte há muito menos tempo do que se imaginava, adianta um estudo divulgado hoje. Com base em imagens captadas pela NASA, cientistas da Universidade de Brown localizaram um sistema de canais que se terá formado há cerca de 1,25 milhões de anos pela fusão de depósitos de gelo.

Os cientistas sabiam já que estes canais são estruturas relativamente jovens na superfície do Planeta Vermelho, mas não tinham ainda encontrado um método de datação eficaz e é aqui que o estudo divulgado na edição deste mês da “Geology” inova.

O sistema de canais, de dimensões “modestas”, foi encontrado dentro de uma cratera na Promethei Terra, uma zona montanhosa no hemisfério Sul de Marte. À primeira vista, as imagens captadas pelo Mars Reconaissance Orbiter mostram um único canal com vários metros de extensão, mas uma análise mais detalhada permitiu aos cientistas identificar quatro torrentes diferentes, cada uma delas transportando sedimentos para uma lagoa de retenção.

Analisando os sedimentos os cientistas concluíram que eles foram ali depositados em momentos diferentes: um dos agrupamentos apresenta pequenas crateras, que terão sido provocadas pelo impacto de fragmentos de meteoritos (que atingem a espaços regulares os planetas) enquanto os outros três surgem incólumes, o que indicia que são mais recentes.

Os cientistas acreditam que as marcas no agrupamento mais antigo foram provocadas pelo mesmo meteorito que gerou uma cratera maior, a mais de 80 quilómetros de distância e, usando técnicas de datação, concluíram que o impacto ocorreu há cerca de 1,25 milhões de anos. Ficou assim estabelecido que as torrentes de água mais recentes ocorreram depois daquela data. Isto significa que a água terá corrido à superfície de Marte muito depois do que se acreditava até agora.

A equipa concluiu ainda que as torrentes foram geradas pela fusão de depósitos de gelo que se terão formado longe dos pólos durante aquela que terá sido a mais recente era glaciar em Marte. Este arrefecimento foi provocado por uma maior inclinação do eixo do planeta e, quando há cerca de meio milhão de anos, a situação se alterou assistiu-se a pequenos degelos ou, na maioria dos casos, à sublimação da água (passagem do estado sólido ao estado gasoso).

A equipa estudou outras possibilidades para a formação destas canais – como a irrupção de águas subterrâneas – mas a hipótese foi afastada. “Não temos água suficiente para criar um lago onde se possam deitar peixes, mas temos água resultante de um degelo”, explicou Samuel Schon, primeiro autor do estudo, adiantando que este fenómeno “não durou muito, mas aconteceu”.

segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Asteróide passa perto da Terra

Um pequeno asteróide passou ontem de “raspão” à Terra, de acordo com o Minor Planet Center (MPC) da União Internacional da Astonomia. O pequeno objecto passou a apenas 72 mil quilómetros da Terra, que representa um quinto da distância entre a Terra e a Lua e o dobro da distância da maioria de satélites de comunicações, segundo o site Sky and Telescope.

Esta pequena ameaça celeste, designada de 2009 DD45 - que se julga ter cerca de 30 metros - passou ontem por volta das 13h00 muito perto do nosso planeta.

O objecto foi detectado pela primeira vez no sábado por uma equipa de investigadores australianos e mais tarde confirmado pela MPC.

O mais recente objecto que se tinha avistado passar tão perto da Terra foi o 2004 FU162, um asteróide de seis metros que passou a mais de 6 mil quilómetros no nosso planeta, em Março de 2004.

Nos tempos recentes apenas um asteróide de dimensões semelhantes ao 2009 DD45 colidiu com a Terra. Há cem anos, a 30 de Julho de 1908, o Tunguska atingiu a terra na zona da Sibéria libertando força equivalente a 85 bombas como a de Hiroshima e derrubando 80 milhões de árvores.

Rafael Pereira

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Física e Química - Powerpoint sobre a Tabela Períodica


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box


segunda-feira, 16 de novembro de 2015

Física e Química - A radiação electromagnética


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

sábado, 14 de novembro de 2015

Física e Química - Ficha de Avaliação - CEF


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

quinta-feira, 12 de novembro de 2015

Física e Química - Powerpoint sobre Grandezas Físicas - Sistemas de Medida


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

terça-feira, 10 de novembro de 2015

Física e Química - Powerpoint "O que é a Física"


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

"100 horas de Astronomia!" querem reunir o máximo de pessoas à volta do céu


Sair de casa, olhar através de um telescópio e sentir que fazemos parte de um planeta é o que se espera que as “100 Horas de Astronomia” consigam fazer. A partir de amanhã, dia 2 de Abril, e até domingo, 137 países, 80 observatórios mundiais e a Internet vão estar ligados nesta iniciativa para aproximar as pessoas da ciência que estuda o Universo.

A ideia é “levar a Astronomia a todo o mundo, em diversos eventos, para que as pessoas tenham oportunidade de vivê-la em várias vertentes, de uma forma concentrada”, disse por telefone ao PÚBLICO a co-coordenadora nacional do projecto, Nelma Alas Silva.

A iniciativa está integrada no Ano Internacional da Astronomia (AIA2009). Se as actividades ao longo do ano perfazem uma maratona para a divulgação e experimentação da Astronomia, os próximos quatro dias vão ser os “100 metros de velocidade”, revela Nelma Silva. Segundo Pedro Russo, português e coordenador internacional do AIA2009, o site internacional já reuniu mais de 2000 registos que anunciam iniciativas a decorrer em vários países. 

Por cá, a oferta atinge todo o continente e os Açores. “Temos observações [com telescópios] que vão desde Trás-os-Montes, Algarve, aos Açores. Localidades que não são centrais”, explicou a coordenadora.

Fotografar o espaço a partir de casa

“O nosso objectivo principal é pôr o máximo de pessoas possível a olhar para os telescópios”, sublinhou Pedro Russo ao PÚBLICO, por telefone. No site português do “100 Horas de Astronomia” estão descritas todas as iniciativas de observações telescópicas associadas a várias localidades do país. A observação do Sol, que é feita de dia, também vai ser uma aposta recorrente em vários locais. Mas quem preferir pode ir a palestras como a que decorre no sábado, no Porto, sobre a Astronomia nos Andes ou levar os filhos a passar a noite no planetário de Espinho. 

Para os que ficarem em casa, o serão não tem de ser menos activo. Estão reservados nove observatórios em todo o mundo exclusivamente para quem quiser tirar fotografias ao espaço. Basta fazer um registo e pode-se comandar os telescópios através da Internet. “Percebe-se o conceito de recolher imagens na Astronomia”, diz Pedro Russo, acrescentando que se tiver tempo, gostaria de fotografar uma galáxia, porque “são sempre objectos que escondem muitos segredos”. Mas a objectiva pode ficar apontada para bem mais perto e fotografar a Lua, Saturno ou o Sol.

Sexta-feira arranca a iniciativa "Volta ao Mundo em 80 Telescópios" que vai durar 24 horas sem parar. “A ideia principal é mostrar o que é trabalhar num telescópio, o que é o dia-a-dia dos astrónomos”, disse Pedro Russo. De 20 em 20 minutos, um destes 80 observatórios fica disponível na Internet, e mostra o que está a acontecer lá dentro, quem são os astrónomos, o que se observa, quais os instrumentos que se utilizam e que perguntas estão a tentar responder.

João Alves, director do Observatório de Calar Alto (que fica a 2150 metros de altitude, em Almeria, na Andaluzia, em Espanha) revelou que, durante a emissão, o observatório vai estar cheio de alunos. “Vamos ter um grupo de estudantes [dos últimos anos do ensino secundário na área de Ciências] que estão a fazer o trabalho de iniciação à investigação”, disse por telefone ao PÚBLICO, acrescentando que a ligação entre o observatório e o ensino é uma iniciativa recente que está a ter imensa adesão das escolas.

Durante os 15 minutos de emissão (em inglês), que se inicia às 23h00 (de Lisboa) de sexta-feira, os astrónomos vão responder a várias questões. “No fundo, é aproximar o observatório das pessoas. Como é o seu dia-a-dia, o que move as pessoas para passar uma semana no cimo da montanha”, reflectiu o português, que está surpreso com o envolvimento que o público tem tido durante o AIA2009.

O astrónomo revelou que vai estar “completamente ligado à Internet” durante a experiência. Segundo João Alves, ninguém se apercebe da poluição luminosa que vai aumentando e que está a “isolar-nos do Universo”. Estas iniciativas são importantes para “a nossa experiência humana, para as pessoas sentirem que fazem parte de um planeta”, assegurou.

terça-feira, 3 de novembro de 2015

Agência Espacial Europeia procura parceiros para detectar lixo espacial


A Agência Espacial Europeia (ESA) espera começar a vigiar o lixo em órbita da Terra nos próximos anos. “O objectivo é começar a oferecer serviços, nos próximos dois ou três anos, que dêem o alerta quando há riscos de colisão”, com satélites ou até com a Estação Espacial Internacional, adiantou Nicolas Bobrinsky, do Centro de Operações Espaciais da ESA em Darmstadt, na Alemanha. A ideia agora é tentar encontrar parceiros privados para investir nestes projectos.

Este é uma das notícias que saíram da V Conferência Europeia sobre Lixo Espacial, que decorreu em Darmstadt, juntando especialistas de 21 países. “Foi a maior conferência de sempre dedicada a este assunto”, diz um comunicado da ESA. Talvez tenham contribuído para esta assistência recorde o alerta recentemente lançado para a Estação Espacial Internacional (ISS), em que os três astronautas a bordo se refugiaram na cápsula Soiuz, devido à aproximação de um pedaço de lixo orbital que poderia fazer estragos, até à colisão entre satélites em órbita, um norte-americano e outro russo.

O lixo em órbita é um pouco de tudo o que os homens mandaram para o espaço, desde que o primeiro satélite artificial, o Sputnik, foi lançado pela União Soviética, a 4 de Outubro de 1957. Há até uma luva de astronauta em órbita, mas muitos destes detritos são pedaços de satélites, e até fragmentos de ferrugem. Alguns detritos são muito pequeninos, mas mesmo assim colocam um grande risco: um buraquinho numa parede de um dos módulos da estação espacial russa Mir, destruída a 23 de Março 2001 (foi deixada cair no Pacífico), obrigou a encerrar essa parte da plataforma orbital durante meses, até que pudesse ser remendado o furo. Para o fazer, teve de entrar lá um cosmonauta russo, fardado como se estivesse a fazer uma saída para o espaço, armado com ferramentas e material para tratar do estrago.

Os cientistas e engenheiros espaciais estão cada vez mais preocupados com esta poeira de lixo que rodeia o planeta. 

Hoje em dia, os alertas sobre fragmentos que passam demasiado próximo de satélites e da ISS são dados pelos Estados Unidos, que vigiam o lixo espacial através de radares em terra. A precisão dos seus alertas é de cerca de 100 metros, e conseguem detectar detritos que têm até um centímetro – “o que é o limite que suportam as protecções nas naves e satélites”, comentou Heiner Klinkrad, o principal especialista em lixo espacial da ESA, citado pela agência noticiosa AFP. 

A capacidade da ESA é hoje em dia muito mais limitada: não consegue detectar fragmentos de lixo com menos de um metro de diâmetro, e a precisão é de apenas um quilómetro. Mas a agência europeia quer mesmo investir em melhorar as suas capacidades.

Durante o último ano, têm-se feito testes em três laboratórios ligados à ESA: num radar em Wachtberg, no noroeste da Alemanha, num radiotelescópio de 100 metros em Effelsberg, também na Alemanha, e numa rede de estações de radar, chamada Eiscat, na Finlândia, na Noruega e na Suécia. “Usando as capacidades destas instalações, poderíamos detectar objectos com um centímetro de diâmetro em órbitas baixas e seguir a rota daqueles que tivessem quatro centímetros ou mais”, disse Klinkrad, citado pela AFP. 

Existem cerca de 600 mil objectos com mais que um centímetro em órbita do planeta, dos quais 13 mil têm mais que dez centímetros, diz a ESA. Estes detritos podem levar anos, décadas ou até mais até que a gravidade da Terra os puxe para entrarem na atmosfera, onde ardem. As piores zonas de poluição espacial são a da órbita baixa (entre 800 e 1500 quilómetros de altitude), e na zona da órbita geoestacionária (35 mil quilómetros de altitude). A ISS, em princípio, não fica na zona pior: orbita a cerca de 350 quilómetros de altitude. 


domingo, 1 de novembro de 2015

Sonda da ESA lançada com sucesso a partir de cosmódromo russo

A sonda Goce, da Agência Espacial Europeia (ESA), foi lançada hoje com sucesso e já se separou do foguetão que a enviou para o espaço. A Goce saiu do Cosmódromo russo de Plesetsk, no Norte do país, às 14h21 (hora de Lisboa).

A Goce vai analisar as variações gravitacionais da Terra, permitindo aos cientistas aprofundar o conhecimento da estrutura do planeta e proporcionar detalhes acerca dos movimentos oceânicos. O satélite faz parte de um conjunto de sondas que vão estudar a Terra.

“Temos financiamento para 24 satélites preparados para serem lançados durante a próxima década, algo como mil milhões de euros a despender por ano”, disse Stephen Briggs, o director do departamento de ciências de observação terrestre da ESA. “Isto permite-nos ter um papel maior, a nível mundial, em proporcionar um sistema global de observação da Terra”, disse o cientista à BBC News.

A Goce vai ficar a 263 quilómetros de altitude para medir as pequenas variações na gravidade terrestre. Ao ficar a conhecer as mudanças gravitacionais do planeta poderá seguir a direcção e a velocidade das correntes oceânicas e assim perceber como é que os oceanos transportam o calor pelo globo. Com esta informação é possível melhorar-se os modelos informáticos que prevêem as alterações climáticas.

As medições vão ter início em Agosto.

sexta-feira, 30 de outubro de 2015

Supernova cria estrela de quarks

A 23 de Fevereiro de 1987 foi detectada a explosão de uma supernova (morte de uma estrela supermassiva) na Grande Nuvem de Magalhães (uma galáxia satélite da nossa, a 160 mil anos-luz) que recebeu o nome de SN 1987A. Devido à sua proximidade, esta é a supernova mais estudada desde sempre.


Nessa época já se contava com instrumentos avançados, que permitiram, por exemplo, medir o fluxo de neutrinos da explosão. Fenómeno que se havia previsto e que não se tinha comprovado experimentalmente até então. A explosão de uma supernova pode expulsar para o espaço até 9/10 da matéria da estrela. O núcleo remanescente tem massa superior a 1,5 massas solares, a pressão de degenerescência dos electrões não é suficiente para manter o núcleo estável e os electrões entram em colapso com o núcleo, chocando com os protões e dando origem a neutrões: o resultado seria uma estrela composta de neutrões.

Mas, pelo que afirmam cientistas de Hong Kong, durante o colapso, os neutrões dividiram-se nos seus constituintes elementares, isto é, quarks, e estes formaram um objecto raro ainda mais pequeno e ultradenso do que uma estrela de neutrões: uma estrela de quarks.

quarta-feira, 28 de outubro de 2015

NASA lançou com sucesso o vaivém espacial Discovery

A Agência Espacial Norte-Americana (NASA) conseguiu finalmente lançar esta noite o vaivém espacial Discovery, que levará sete astronautas até à Estação Espacial Internacional (ISS, sigla em inglês). Este lançamento tinha sido adiado na quarta-feira, quando foi detectada uma fuga de hidrogénio numa das válvulas do tanque de combustível externo do vaivém.

O lançamento deu-se como previsto às 19h43 locais (23h43 em Lisboa) do Centro Espacial Kennedy na Florida.

As condições meteorológicas são encorajadoras, com 80 por cento de possibilidades de um tempo favorável.

“Fizemos tudo o que podíamos, ou seja, substituímos as peças (potencialmente suspeitas) e veremos se se trata, ou não, de um problema de alinhamento”, explicou Mike Moses, responsável pela equipa que organiza esta missão, em conferência de imprensa.

Antes do lançamento, Mike Moses, responsável pela equipa que organiza esta missão, garantiu que não existe perigo para a tripulação que seguirá no Discovery.

Uma equipa de engenheiros instalou novas válvulas, esperando que assim consigam resolver o problema que obrigou ao adiamento da primeira tentativa de lançamento, na quarta-feira.

Mas até agora, os técnicos ainda não conseguiram encontrar a causa exacta da fuga de hidrogénio.

“Fiquei um pouco surpreendido por não termos encontrado nada mais óbvio, porque era uma fuga significativa”, comentou ontem o director de lançamentos Mike Leinbach aos jornalistas.

O lançamento do vaivém esta noite implica uma redução na duração da missão de 14 para 13 dias e vai forçar a NASA a eliminar a quarta saída espacial que estava prevista. Mas, segundo Moses, isso não vai afectar os objectivos da missão.

O Discovery foi assim o primeiro vaivém espacial a ser lançado este ano. Permitirá entregar e instalar o quarto e último par de antenas solares na ISS. A estação terá então toda a potência eléctrica necessária para as experiências científicas dos laboratórios europeu Columbus e japonês Kobi, acrescentados à ISS em 2008. Além disso, a estação passará a poder duplicar o número de “hóspedes” permanentes, para um total de seis pessoas.

Ainda estão previstos nove voos até 30 de Setembro de 2010, data em que a frota de vaivéns norte-americanos entra para a reforma, para concluir a construção da ISS, efectuar uma última missão do telescópio espacial Hubble e realizar experiências científicas

segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Colisões de partículas previstas para Outubro

O maior acelerador de partículas do Mundo – Grande Colisionador de Partículas (LHC) do Centro Europeu de Investigação Nuclear (CERN) – recomeça a funcionar em Setembro, prevendo-se as primeiras colisões para Outubro.


O LHC está parado desde Setembro de 2008, na sequência de uma avaria registada oito dias após a entrada em funcionamento. Segundo Ana Henriques, especialista em física de altas energias, a estrutura ficará a funcionar até ao Outono de 2010, estando prevista uma paragem no Natal.

O objectivo do LHC é simular os primeiros milésimos de segundo do Universo, há cerca de 13,7 mil milhões de anos, sendo já considerada a maior experiência do século. "Os primeiros resultados deverão ser divulgados em 2010", pode ler--se no comunicado do CERN.



A.P.

sábado, 24 de outubro de 2015

Robôs vão superar-nos em 2050

Há quem afirme que já existem mais robôs do que pessoas, considerando o ritmo acelerado da sua produção. As vendas de robôs de serviço pessoal e profissional têm crescido desde o virar do século e devem atingir os 5,5 milhões este ano. Até 2011, esse número deverá duplicar e chegar aos 11,5 milhões.


A esta velocidade é provável que, num futuro não muito distante, os robôs sejam usados da mesma forma que hoje são utilizados os computadores pessoais. Tal progresso exigirá a produção de máquinas muito mais inteligentes e autónomas do que é possível construir na actualidade.

As máquinas de hoje são ainda um milhão de vezes mais simples do que o cérebro humano – uma das razões que justificam o facto de não possuírem as singulares qualidades de uma pessoa. Ainda não têm, por exemplo, a nossa habilidade de entender os outros ou de responder apropriadamente a emoções.

Será necessária uma tecnologia da complexidade do cérebro humano para criar entidades que possuam tais características.

INTELIGÊNCIA LIMITADA

Por agora, as máquinas têm uma inteligência específica confinada e restringida à execução de determinadas tarefas – apesar de ser, em alguns casos, superior à humana, como na rápida execução de complexos cálculos matemáticos.

Na hora de construir inteligências artificiais, o Homem goza de muito maior liberdade do que aquela que a Natureza teve quando ‘construiu’ o ser humano: podem estar completamente libertas das restrições e limitações da organização mental humana.

Para que um andróide desenvolva uma inteligência parecida à do Homem, é muito provável que necessite de algumas das suas supostas ‘debilidades’, como o egoísmo e a ambição. Os cientistas acreditam que em 2050 os cérebros robóticos irão competir com a inteligência humana, executando cem triliões de instruções por segundo.

AUTÓNOMOS

Na Medicina, na Aeronáutica, na Indústria, na Defesa e em tantas outras áreas, os robôs da actualidade já desempenham tarefas por conta própria sem intervenção humana. Estão cada vez mais presentes e ‘inteligentes’ no dia a dia de uma sociedade.

Pesquisas sobre o desempenho dos robôs domésticos conduzidas nos Estados Unidos e no Japão mostram que as crianças criam fortes laços com as máquinas, ao ponto de preferirem, na maioria dos casos, um robô a um ursinho de pelúcia.

AS TRÊS LEIS DA ROBÓTICA DE ASIMOV

Na ficção científica, já existem, há mais de 60 anos, as famosas leis da robótica, directrizes criadas pelo escritor russo Isaac Asimov que ditavam a ‘ética’ dos robôs para evitar que fossem mal utilizados. As três leis são as seguintes:

Primeira Lei: Um robô não pode ferir um ser humano ou permitir que um ser humano seja ferido.

Segunda Lei: Um robô deve obedecer às ordens dos seres humanos, excepto quando elas entrem em conflito com a Primeira Lei.

Terceira Lei: Um robô precisa de proteger a sua própria existência, contanto que ela não entre em conflito com a Primeira ou Segunda leis.

SAIBA MAIS

TERCEIRA GERAÇÃO

A terceira geração de robôs terá ‘cérebros’ computadorizados com uma inteligência semelhante à dos macacos.

2050

Os computadores actuais têm potência para replicar apenas o sistema nervoso de insectos. Mas até 2050 terão a mesma capacidade intelectual de um ser humano.

IGUALDADE

A geração com cem milhões de instruções por segundo poderá imitar o raciocínio humano e mesmo ultrapassá-lo em 2050.

NOTAS

COMPETIÇÃO - Robocup é uma competição mundial que visa o estudo e desenvolvimento da Inteligência Artificial e da Robótica.D

DONA DE CASA - O robô é capaz de ajudar nas tarefas domésticas.

MÚSICO - A Toyota já desenvolveu um robô que imita o verdadeiro músico.

ESPAÇO - Naves não tripuladas exploram o Sistema Solar de forma mais barata e eficiente. Os astronautas em órbita também não dispensam a ajuda de braços robóticos para recolher satélites avariados.

Mário Gil

Física e Química - Powerpoint sobre o Sistema Solar


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box


 

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Física e Química - Documentário sobre Marie Curie

segunda-feira, 12 de outubro de 2015

Física e Química - Vídeo - As 100 Maiores Descobertas da Química

sábado, 10 de outubro de 2015

Física e Química - Powerpoint sobre a Tabela Periódica


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box


quinta-feira, 8 de outubro de 2015

Física e Química - Resumo sobre a Radiação Electromagnética


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

terça-feira, 6 de outubro de 2015

Física e Química - Powerpoint sobre o conceito de Física


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box


domingo, 4 de outubro de 2015

Física e Química - Powerpoint sobre Grandezas Físicas


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box


quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Carbono no centro da Via Láctea


Desde há muito que os astrónomos se interrogavam por que é que os seus telescópios nunca haviam detectado carbono em estrelas no centro da Via Láctea, apesar de muitas outras terem sido identificadas com o elemento químico básico da vida noutras regiões da galáxia.


O mistério acaba de ser desvendado, graças ao telescópio espacial Spitzer. Descobriu que, afinal, há estrelas ricas em carbono no centro da galáxia, ampliando, assim, o conhecimento a respeito de como as estrelas formaram e formam elementos pesados, como oxigénio, carbono e ferro, e depois os libertam pelo Universo. Processo esse que tornou possível o desenvolvimento da vida.

A poeira em torno das estrelas emite um sinal muito forte na frequência da radiação infravermelha e, com a ajuda da espectrografia do Spitzer, foi possível determinar se o material que a estrela devolve ao meio interestelar é rico em carbono ou oxigénio.

Os pesquisadores, que publicaram os resultados em artigo na revista ‘Astronomy & Astrophysics’, analisaram as luzes emitidas por 40 nebulosas planetárias. 

terça-feira, 29 de setembro de 2015

Europa constrói a nave do futuro

Chegar ao Espaço nunca foi simples. É necessário um exército de milhares de pessoas para enviar um vaivém, fazê-lo aterrar com segurança e restaurá-lo para um novo voo.



Por isso, a Agência Espacial Europeia (ESA) decidiu agora apostar numa tecnologia com a qual se sonha desde o início da exploração espacial: uma nave capaz de descolar de um aeroporto, como um avião comum, tornando-se um foguete tradicional assim que ultrapassa os limites da atmosfera mais densa, entra em órbita e volta ao solo na mesma pista de onde descolou.

A empresa inglesa Reaction Engines foi contratada para desenvolver as primeiras peças do Sabre, motor revolucionário que deverá equipar a nave, baptizada ‘Skylon’.

O Sabre é um motor híbrido inédito capaz de aspirar o ar enquanto está na atmosfera, como um motor a jacto, tornando-se um foguete quando atinge o Espaço.

domingo, 27 de setembro de 2015

500 astronautas no Espaço

Passaram 48 anos desde que o Mundo foi surpreendido pela difusão de uma extraordinária notícia: o Homem estava, pela primeira, vez no Espaço. Efectivamente, foi no dia 12 de Abril de 1961 que a nave soviética ‘Vostok’, levando a bordo Yuri Gagarin, deixou a Terra e durante 108 minutos – o tempo de uma órbita em torno do Planeta – passeou pelo quase desconhecido.


Nessa altura já tinham sido dados os primeiros passos na investigação espacial, com o lançamento, no final de 1957, de dois satélites soviéticos, um deles com a cadela Laika, o primeiro ser vivo a ir para o Espaço. Todavia, ainda nenhum homem havia lá estado e Yuri Gagarin deveria dar respostas a perguntas, tais como se o Homem podia viver, trabalhar e orientar-se no Espaço e manejar os sistemas das naves espaciais.

O seu voo iniciou uma nova era na conquista do Espaço, por isso 12 de Abril atingiu importância internacional, tornando-se o Dia Internacional da Aviação e Cosmonáutica.

A disputa entre os EUA e União Soviética (URSS) pela conquista do Espaço foi o grande impulso para a exploração espacial e resultou em grandes avanços científicos e tecnológicos.

Acabada a Guerra Fria, que opunha essas duas grandes potências mundiais, e na continuidade das operações Mir e Skylab e do planeado Columbus europeu, nasceu, em 1998, a Estação Espacial Internacional (ISS), actualmente ainda em construção, que representa a permanência humana no Espaço e, sobretudo, a cooperação internacional desejada na conquista espacial sem desperdício inútil de esforços e de dinheiro.

A maior aventura já empreendida pelo Homem tem alguns marcos e devemo-lo sobretudo à coragem dos astronautas, cosmonautas (na designação russa) e taikonautas (na versão chinesa) – 493 até hoje – feitos em tudo semelhantes à dos navegadores portugueses quando se lançaram nas desconhecidas travessias oceânicas do século XV.

Mário Gil

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Fragmentos de meteorito ajudam Ciência

Um meteorito do tamanho de um automóvel que explodiu no deserto de Nubie, no Sudão, em Outubro, fornece uma ocasião única aos geofísicos para determinarem qual o astro do qual o asteróide se desmembrou.




Chamado 2008 TC3, ou Almahata Sitta, este meteorito foi visto a 6 de Outubro e seguido por milhares de telescópios antes de explodir, no dia seguinte. Uma expedição imediatamente montada pelo Instituto de Investigação de Inteligência Extra-Terrestre da Califórnia e pela Universidade de Cartum permitiu encontrar 47 fragmentos, com um peso total de 3,95 quilos.

Pela primeira vez, os cientistas possuem resultados das observações de um corpo celeste no Espaço, por espectrografia, e análises de laboratório dos fragmentos deste mesmo asteróide, o que permite lançar a investigação para determinar de que astro o meteorito se separou e saber, por conseguinte, a sua composição.

Lusa

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Cientistas descobrem novo exoplaneta

Cientistas revelaram na terça-feira a descoberta do mais pequeno planeta fora do sistema solar (exoplaneta) que se conhece e localizaram o primeiro exoplaneta que pode estar coberto por um vasto oceano, ambos situados no mesmo sistema estelar.


A equipa do Observatório de Genebra, dirigida por Michael Mayor, descobriu um planeta cuja massa é apenas o dobro da do planeta Terra, o que faz dele o mais pequeno exoplaneta entre os 350 descobertos até hoje, segundo um comunicado da ESO, a organização europeia para a investigação astronómica a partir do Hemisfério Sul.



Este planeta, baptizado de “Gliese 581 e”, foi descoberto devido a investigações realizadas a partir do espectógrafo HARPS, ligado a um telescópio de 3,6 metros de comprimento da ESO instalado em La Silla, no Chile.

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Cientistas procuram nono planeta

Baseados em simulações de computador, cientistas japoneses da Universidade de Kobe dizem estar convencidos de que existe um nono planeta, até agora desconhecido, que gravita nos confins do nosso Sistema Solar e que algum dia será descoberto.


A longa busca pelo planeta X, que tem alimentado algumas teorias apocalípticas, levou à descoberta de Plutão, mas este planeta acabou por não ser considerado o X porque a sua massa (de apenas 1/455 vezes a da Terra) não era suficiente para explicar as irregularidades então registadas na órbita de Neptuno – as estimativas para o planeta X apontavam para valores de 50 vezes a massa terrestre.

A comunidade científica decidiu, em 2006, excluir Plutão da lista de planetas de nosso Sistema Solar, rebaixado-o à categoria de planeta-anão. Além dos seus oito planetas, o Sol é circundado por alguns corpos grandes, agora chamados plutóides – como é o caso de Sedna, descoberto em 2004, ou Quaoar, descoberto em 2002 –, e por uma infinidade de corpos celestes menores, principalmente numa região denominada Cinturão de Kuiper, que se estende entre 30 e 50 Unidades Astronómicas (1 UA equivale à distância entre a Terra e o Sol).

Se existir, o Planeta X poderá estar a uma distância até 100 UA. O seu brilho deve ser tão fraco que nenhum equipamento o conseguiria captar. A solução pode estar no Pan-STARRS, projecto destinado a monitorizar os céus em busca de asteróides em rota de colisão com a Terra, que entrará em operação já em 2010.

Desde que começou a busca pelo Planeta X, no início do século XX, a possibilidade existir um hipotético planeta a orbitar o Sol além do Cinturão de Kuiper tem alimentado teorias apocalípticas: diz-se que o letal planeta viajará numa excêntrica órbita para causar um caos gravitacional na Terra, com danos ambientais, geológicos e sociais, e matar grande parte da vida terrestre. Tudo com data marcada: 2012, precisamente a data final do calendário maia. Mas há ainda outras teorias para o fim do mundo.

Mário Gil

sábado, 19 de setembro de 2015

Primeiro simulador do fundo marinho

Cientistas alemães do Instituto Fraunhofer criaram um sistema de realidade ampliada (sistema que cria uma realidade virtual que pode ser justaposta com cenas reais) para ser utilizado sob a água.


Utilizando uma máscara especial, um mergulhador pode ver recifes de coral, plantas e animais marinhos sobre o fundo de uma piscina comum. Os pesquisadores esperam que o sistema possa ser utilizado para o treino de mergulhadores profissionais.

O principal componente deste que é o primeiro equipamento de realidade virtual para uso aquático é um ecrã à prova de água, que fica em frente à máscara do mergulhador.

O ecrã permite que o mergulhador veja o ambiente virtual com todos os objectos virtuais sobrepostos sobre o ambiente real em que ele está mergulhado.

O processamento do sistema de realidade virtual fica a cargo de um mini-PC que o mergulhador leva na mochila. Uma câmara de vídeo localizada na sua cabeça fornece ao sistema os marcadores do ambiente aquático necessários para que as imagens virtuais sejam projectadas na posição correcta.

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Fragmentos de meteorito ajudam Ciência

Um meteorito do tamanho de um automóvel que explodiu no deserto de Nubie, no Sudão, em Outubro, fornece uma ocasião única aos geofísicos para determinarem qual o astro do qual o asteróide se desmembrou.




Chamado 2008 TC3, ou Almahata Sitta, este meteorito foi visto a 6 de Outubro e seguido por milhares de telescópios antes de explodir, no dia seguinte. Uma expedição imediatamente montada pelo Instituto de Investigação de Inteligência Extra-Terrestre da Califórnia e pela Universidade de Cartum permitiu encontrar 47 fragmentos, com um peso total de 3,95 quilos.

Pela primeira vez, os cientistas possuem resultados das observações de um corpo celeste no Espaço, por espectrografia, e análises de laboratório dos fragmentos deste mesmo asteróide, o que permite lançar a investigação para determinar de que astro o meteorito se separou e saber, por conseguinte, a sua composição.

Lusa

terça-feira, 15 de setembro de 2015

500 astronautas no Espaço

Passaram 48 anos desde que o Mundo foi surpreendido pela difusão de uma extraordinária notícia: o Homem estava, pela primeira, vez no Espaço. Efectivamente, foi no dia 12 de Abril de 1961 que a nave soviética ‘Vostok’, levando a bordo Yuri Gagarin, deixou a Terra e durante 108 minutos – o tempo de uma órbita em torno do Planeta – passeou pelo quase desconhecido.


Nessa altura já tinham sido dados os primeiros passos na investigação espacial, com o lançamento, no final de 1957, de dois satélites soviéticos, um deles com a cadela Laika, o primeiro ser vivo a ir para o Espaço. Todavia, ainda nenhum homem havia lá estado e Yuri Gagarin deveria dar respostas a perguntas, tais como se o Homem podia viver, trabalhar e orientar-se no Espaço e manejar os sistemas das naves espaciais.

O seu voo iniciou uma nova era na conquista do Espaço, por isso 12 de Abril atingiu importância internacional, tornando-se o Dia Internacional da Aviação e Cosmonáutica.

A disputa entre os EUA e União Soviética (URSS) pela conquista do Espaço foi o grande impulso para a exploração espacial e resultou em grandes avanços científicos e tecnológicos.

Acabada a Guerra Fria, que opunha essas duas grandes potências mundiais, e na continuidade das operações Mir e Skylab e do planeado Columbus europeu, nasceu, em 1998, a Estação Espacial Internacional (ISS), actualmente ainda em construção, que representa a permanência humana no Espaço e, sobretudo, a cooperação internacional desejada na conquista espacial sem desperdício inútil de esforços e de dinheiro.

A maior aventura já empreendida pelo Homem tem alguns marcos e devemo-lo sobretudo à coragem dos astronautas, cosmonautas (na designação russa) e taikonautas (na versão chinesa) – 493 até hoje – feitos em tudo semelhantes à dos navegadores portugueses quando se lançaram nas desconhecidas travessias oceânicas do século XV.

Mário Gil

sexta-feira, 11 de setembro de 2015

Já começou o primeiro passeio espacial para reparar o Hubble


A mais de 600 quilómetros de altitude sobre a Austrália, os astronautas do vaivém Atlantis começaram já a trabalhar para pôr de novo o telescópio espacial Hubble em forma. Ancoraram o telescópio de 10 metros de comprimento ao compartimento de carga do vaivém, usando o braço robótico da nave, para uma primeira análise.

A primeira saída dos astronautas para fora do vaivém, para começar a meter as mãos na massa nas reparações do Hubble, está agora a começar. Será Grunsfeld, de 50 anos, e o geólogo Drew Feustel, de 43 anos, que faz a sua primeira viagem espacial.

“Este velhinho com 19 anos de espaço ainda está numa forma fantástica”, comentou o astronauta John Grunsfeld, que não é nenhum novato: já participou em duas outras missões para fazer as reparações necessárias para que o Hubble continue a ser o olho da humanidade no Universo, e já fez cinco passeios espaciais para pôr o telescópio em forma.

O exterior do telescópio foi ainda ontem à noite inspeccionado com câmaras instaladas no braço robótico do vaivém – apesar do desgaste da radiação ultravioleta e de vários impactos de detritos espaciais, o Hubble nem está assim em tão mau estado. 

Hoje, os astronautas vão remover uma das câmaras do Hubble, para a actualizar e colocar novo equipamento. Vão ter de se empoleirar no braço robótico do vaivém, e instalar protecções para evitar que os painéis solares do telescópio sofram com as vibrações dos trabalhos de recuperação.

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Estrela gigante de Orion encolhe


A supergigante e vermelha Betelgeuse, na constelação de Orion, a 600 anos-luz da Terra, é uma das estrelas mais brilhantes no céu sobre a Terra e tem um diâmetro estimado em 900 vezes o do Sol e luminosidade 15 mil vezes. É tão imponente que, se estivesse no centro do Sistema Solar, se estenderia além da órbita de Júpiter.



No entanto, de acordo com um novo estudo feito na Universidade da Califórnia, em Berkeley, nos Estados Unidos, Betelgeuse está a encolher muito rapidamente, tendo perdido 15% do tamanho nos últimos 15 anos. A conclusão veio após um longo monitoramento feito com a ajuda de um interferómetro de infravermelho instalado no topo do monte Wilson, na Califórnia.

Alguns cientistas estimam que Betelgeuse poderá explodir e tornar-se uma supernova dentro de alguns milhares de anos.

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

Estrelas criam cristais


O telescópio espacial Spitzer pode ter encontrado a resposta para uma das mais intrigantes questões que desafiam os astrónomos há décadas: como é que cristais de silicatos, que exigem temperaturas altíssimas para se formarem, vão parar aos cometas, corpos congelados, nascidos na fria franja do sistema solar?



Esses cristais podem ter surgido como partículas de silicato não cristalizadas, compondo a mistura de gás e poeira da qual se formam as estrelas e os planetas. Os silicatos originais podem ter-se transformado em cristais por gigantescas erupções que ocorrem na superfície das estrelas.

Os astrónomos detectaram a assinatura infravermelha dos cristais de silicatos no disco de poeira e gás em redor da estrela EX Lupi durante uma de suas frequentes tempestades. Os cristais não estavam presentes na observação anterior que o telescópio Spitzer fez da mesma estrela, durante um dos seus períodos de calmaria.

"Acreditamos ter observado pela primeira vez o processo de formação de cristais em andamento", diz o pesquisador Attila Juhasz, do Instituto Max Planck, na Alemanha.

sábado, 5 de setembro de 2015

Sondas procuram água em solo lunar


A agência espacial norte-americana NASA vai procurar provas definitivas da existência de água na Lua já este mês com o lançamento de duas novas missões.



No próximo dia 17, um foguete Atlas V será lançado do Cabo Canaveral, levando a bordo as missões ‘LRO (Lunar Reconnaissance Orbiter’ – Sonda de Reconhecimento Lunar) e ‘LCROSS (Lunar Crater Observation and Sensing Satellite’ – Satélite de Observação e Sensoriamento de Crateras Lunares).

Em conjunto, as duas missões permitirão o mapeamento de altíssima resolução da Lua, com precisão até um metro, o conhecimento da sua mineralogia, além da esperada resposta a uma pergunta que permanece no ar há décadas: existirá de facto água congelada no interior das crateras dos pólos lunares, menos expostas à acção solar?

A existir, a água estará, provavelmente, nas sombras das frias crateras, escondida e congelada.

Nos anos 90, recorde-se, duas sondas espaciais, a ‘Lunar Prospector’ e a ‘Clementine’, encontraram sinais de gelo nas crateras escuras, próximas dos pólos lunares – sensivelmente um quilómetro cúbico de gelo. Mas os dados não foram conclusivos.

A primeira descoberta ocorreu em 1996, quando a sonda ‘Clementine’ encontrou sinais de gelo em regiões escuras perto dos pólos lunares. A NASA, porém, não desiste de procurar provas definitivas da existência de água no satélite terrestre e investiu numa missão específica para este fim.

Utilizando sete instrumentos científicos diferentes, a missão ‘LRO’ ajudará a identificar locais de pouso seguros para as futuras missões tripuladas à Lua. Além do mapeamento da superfície lunar no espectro ultravioleta, as câmaras da ‘LRO’ construirão um mapa a três dimensões, em alta resolução, da superfície da Lua.

A sonda ‘LCROSS’ irá lutar por uma resposta definitiva sobre a presença ou não de água congelada nos pólos lunares. A missão usará o segundo estágio do foguete Atlas de uma forma inédita, culminando com dois impactos espectaculares sobre a superfície lunar.

Estas missões constituem um primeiro passo para o regresso do homem à Lua, mas também servem de trampolim para voos espaciais mais arrojados, como a exploração do planeta Marte.

CORRIDA MUNDIAL PARA O SATÉLITE

China, Japão, Rússia, Estados Unidos e Índia estão numa corrida intensa e todos têm planos para enviar satélites em direcção à Lua. O objectivo é olhar bem de perto o nosso satélite, e até pousar nele, em busca de novas descobertas geológicas e recursos naturais.

A proximidade torna esse desafio mais do que possível. A Lua é atingível e até mesmo países com programas espaciais ainda na sua fase infantil podem lá chegar, o que representa um grande salto tecnológico para esses países.

Os japoneses, recorde-se, rodearam a Lua com a missão ‘Kaguya’ e os chineses, com a missão ‘Chang’e-1’, também já marcaram presença e recolheram dados. Até a Índia tem planos para uma viagem especial em 2010, com seu veículo Chandrayaan, e os russos, um pouco mais devagar, planeiam regressar.

A primeira missão à Lua iniciou--se em 1958 com o Programa Luna, da União Soviética.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...