domingo, 31 de janeiro de 2016

Era uma Vez - O Espaço - Episódio 3 - O planeta verde

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Era uma Vez - O Espaço - Episódio 2 - Os Sáurios

quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Era uma Vez - O Espaço - Episódio 1 - O Planeta Omega

sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

Física e Química - Resumo sobre Instrumentos de Medida


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Física e Química - Teste de Avaliação do 8ºAno


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Física e Química - Texto Cientifico


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box


sábado, 16 de janeiro de 2016

Física e Química - Experiências de Física e Química


Download 1 - Dropbox
Download 2 - Mega
Download 3 - Google Drive
Download 4 - Box




quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

‘Ares’ e ‘Orion’ abrem caminho até Marte

Após o desastre da missão Columbia, George W. Bush garantiu que os Estados Unidos regressariam à Lua. O resultado desse desígnio é o programa Constelação da NASA, que pretende voltar a colocar o Homem no satélite natural da Terra até 2020 e, mais tarde, em Marte. Para isso, a agência espacial está a desenvolver os foguetões espaciais ‘Ares’ I e V e o módulo tripulado ‘Orion’.


'Com a criação do ‘Orion’, os Estados Unidos voltam a ter, desde as missões Apollo, uma nave tripulada capaz de ir à Estação Espacial e mais longe ainda, até à Lua', afirmou ao CM o astrónomo José Matos, explicando o papel fundamental dos foguetões ‘Ares’: 'O ‘Ares I’ transportará o módulo ‘Orion’, enquanto o ‘Ares V’ leva a nave lunar.'

Baseado nas missões Apollo, das décadas de 60/70 do século passado, a grande diferença do programa Constelação está no sistema de transporte. 'O primeiro a sair da Terra será o ‘Ares V’, que ficará em órbita à espera do ‘Orion’. Este será lançado, no foguetão ‘Ares I’, no dia seguinte', acrescentou.

Os primeiros testes, do ‘Ares I’, estão previstos para o primeiro semestre de 2009. Todo o programa Constelação deverá estar totalmente funcional em 2018. O módulo tripulado ‘Orion’ tem como objectivo substituir os vaivéns Atlantis, Discovery e Endeavour, cuja última missão será em 2010.

O lançamento do foguetão ‘Ariane 5’, previsto para o dia 10 de Dezembro, a partir de Kourou, Guiana Francesa, foi suspenso indefinidamente devido a protestos da população contra os preços dos combustíveis. O ‘Ariane 5’ deverá colocar em órbita dois satélites Eutelsat, operador de telecomunicações europeu.


André Pereira

terça-feira, 12 de janeiro de 2016

Turismo espacial mais barato

Cerca de 75 mil euros é quanto vai custar um voo de turismo espacial, a bordo da aeronave ‘Lynx’ da empresa norte-americana XCor Aeroespaço. O objectivo é rivalizar com a Virgin Galactic, cujos preços rondam os 175 mil euros.

A ‘Lynx’ tem o tamanho de um avião comercial, podendo realizar quatro voos diários de meia hora a uma altitude de 61 quilómetros. A ‘Spaceship 2’, da Virgin, atinge 120 quilómetros de altitude. Um dinamarquês reservou o primeiro bilhete, cuja viagem está prevista para 2012. A.P.

domingo, 10 de janeiro de 2016

Jumbo dá boleia durante 4000 km

O vaivém ‘Endeavour’, que aterrou a 30 de Novembro na Base Aérea Edwards, situada no deserto da Califórnia, Estados Unidos da América, deve iniciar hoje a viagem de regresso ao Centro Espacial Kennedy, Florida.

A partida esteve marcada para a manhã de ontem, mas um problema com a preparação da instalação da cauda da nave espacial não permitiu o início da viagem. O ‘Endeavour’ vai atravessar os EUA durante dois dias, ‘às costas’ de um boeing 747 (mais conhecido por Jumbo), adaptado especialmente para o transporte.

Segundo a NASA, os técnicos do Centro Espacial Kennedy têm vindo a preparar e a criar as melhores condições possíveis para a chegada da ‘Endeavour’, para que tudo corra da melhor forma. No final de Novembro o vaivém não conseguiu aterrar na costa Leste devido às más condições atmosféricas que se faziam sentir na altura.

Toda a tripulação do ‘Endeavour’ teve uma experiência inesquecível antes da aterragem na Califórnia. Os sete astronautas que durante 16 dias estiveram na Estação Espacial Internacional (ISS) conseguiram realizar quatro passeios espaciais ao serviço das articulações da Estação Espacial Truss, a qual gira a potência produtora de painéis solares. Foi numa dessas saídas que um dos astronautas perdeu a mala de ferramentas.

Durante a missão, os astronautas também contaram com o primeiro frigorífico da Estação Espacial Internacional, que levavam a bordo, um equipamento para realizarem exercício físico e uma segunda casa de banho nas instalações da nave espacial. Estas condições surgiram, segundo a NASA, com o objectivo de proporcionar a estes profissionais, que se encontram a muitos quilómetros de distância das suas famílias, mais incentivos e motivação para realizarem um melhor trabalho.

Joana Freire

sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

Missão a Marte adiada para 2011

A agência espacial norte-americana decidiu adiar para 2011 o lançamento do laboratório espacial de nova geração que irá estudar a superfície de Marte. As previsões da NASA apontavam para Outubro de 2009, mas terá de ser adiada devido aos testes necessários às ferramentas que serão transportadas no ‘Mars Science Laboratory’.


Além da questão técnica, a NASA explica que o lançamento só é possível de dois em dois anos, quando o planeta Terra está alinhado favoravelmente com Marte. "Não vamos baixar o nosso patamar de exigência, podendo comprometer a excelência da nossa missão. Por isso, estamos a optar pela solução mais responsável que é adiar o lançamento", explicou Doug McCuistion, director do programa de Exploração de Marte.

Esta missão está a gerar grandes expectativas nos investigadores da NASA, devido às possibilidades dos aparelhos de estudo existentes no ‘Mars Science Laboratory’.

O veículo que transportará o laboratório terá mais autonomia, permitindo percorrer maiores distâncias e recolher dados de diferentes zonas de Marte.
C.M.

quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

Fim-de-semana celestial

Quem nas últimas semanas tenha observado o céu ao cair da noite terá reparado em dois pontos de luz fixa, branca e muito brilhante que se destacam acima do horizonte de sudoeste. Trata-se de Júpiter, à esquerda, e de Vénus, à direita. São astros inconfundíveis, que se têm vindo a aproximar visualmente.

Nos próximos dias, o espectáculo tem um magnífico desfecho. Esta noite, Vénus aproxima-se de Júpiter, ficando por baixo deste a uma distância angular de 2,5º, o que é raro. Na noite de domingo, a distância entre os dois planetas diminui ainda e surge à direita uma Lua muito jovem, reduzida a um fino risco luminoso. Finalmente, na noite de segunda, a Lua oculta Vénus pouco antes do pôr do Sol e a noite começa com o planeta aparecendo pela direita do limbo iluminado do nosso satélite. É um espectáculo muitíssimo raro e belo.

Quem tenha binóculos ou um pequeno telescópio poderá registar a ocultação de Vénus, que se consegue observar à luz do dia, tendo a Lua como referência. O fenómeno começa pelas 15h27 e termina pelas 17h11, mas é preciso um grande cuidado em não apontar os instrumentos para o Sol.

O espectáculo deste trio celestial termina cedo. Pelas 8h já os astros se afundam no horizonte. Só nos resta esperar bom tempo e céus limpos.


Nuno Crato

segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

Minerais dão provas de vida em Marte

A Sonda 'Phoenix' permitiu descobrir carbonetos que provam a existência de condições para a formação de vida no planeta vermelho.
A existência de vida em Marte está cada vez mais próxima de ser provada. Cientistas da Universidade de Brown descobriram vestígios de carbonetos que permitem concluir que o Planeta Vermelho acolheu diversos ambientes aquosos e que, apesar do banho ácido, alguns ambientes ficaram ilesos, permitindo a formação de vida.

Assim, Bethany Ehlmann, cientista da Universidade de Brown e autora do artigo publicado hoje na revista Science, não tem dúvidas ao afirmar que "a vida primitiva teria gostado deste ambiente", tal como adianta o site EurekAlert. Para chegar a esta conclusão foram usadas as imagens da sonda Phoenix, que mostram que o planeta ainda tem vastos depósitos de água gelada nos pólos e nas latitudes médias.

Os carbonetos encontrados indicam que Marte teve águas neutras que passaram a alcalinas, quando os minerais se formaram há mais de 3,6 milhões de anos. Os carbonetos agora descobertos dissolvem-se rapidamente nos ácidos, por isso é que os cientistas acreditam que alguns ambientes se mantiveram imunes ao ácido. O mineral foi descoberto num sistema conhecido por Fossas Nili, de 667 quilómetros. Mas as rochas de carbonetos foram vistas em diversos locais.

Esta descoberta não responde a todas as perguntas. Pelo contrário, cria novas dúvidas. "Sabemos que houve água por todo o lado, mas com que frequência existiram condições para abrigar vida?" A questão foi levantada pelo co--autor do artigo da Universidade de Brown, o professor de Ciências Geológicas John Mustard. Mas "podemos dizer com grande confiança que quando a água esteve nos ambientes que estamos a estudar, teria havido um ambiente ideal para a formação de vida", acrescentou o geólogo.

Provar a existência de vida em Marte não é consensual, tal como explicar a origem das rochas de carbonetos agora descobertas e da água que as moldou. Por isso, cientistas da NASA, da Universidade de Brown ou da Universidade de Nevada, por exemplo, apresentam diferentes teorias.

As marcas de erosão nas rochas podem ter sido formadas por águas quentes subterrâneas, que vieram à superfície através de fendas nas rochas. Outra teoria aponta para a formação das rochas à superfície, sendo alteradas pela água corrente. Por fim, alguns peritos acreditam que as rochas se formam em pequenos lagos superficiais. Numa coisa estão de acordo: qualquer um destes ambientes criou as condições ideais para que formas de vida primitiva pudessem emergir.

Agora, falta saber o que aconteceu em Marte desde a existência de água na sua superfície até aos dias de hoje. Para já, existe a convicção que ocorreu uma grande seca.
ANA BELA FERREIRA
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...