sábado, 4 de fevereiro de 2017

Notícia - A Terra sob ameaça ... o perigo de 20 mil asteróides

Será um pedregulho espacial a causar o fim do mundo? Conversámos com Richard Binzel, especialista em meteoritos e asteróides do MIT, que criou um método para calcular as probabilidades de eles colidirem com a Terra.

Rochas informes de estranhas órbitas e obscuras intenções, os asteróides têm sido tradicionalmente considerados cidadãos de quarta categoria do Sistema Solar. Porém, os planos de Obama de enviar astronautas para sobrevoar a sua superfície e o lançamento de outras missões não-tripuladas (como a europeia Don Quijote) para desviar os mais perigosos estão a mudar a perspectiva que tínhamos desses corpos celestes. O astrónomo Richard Binzel, do Instituto Tecnológico do Massachusetts, explica por que motivo os asteróides não são assim tão sinistros. Binzel e outros investigadores, como Pierre Vernazza, da ESA, adiantaram várias hipóteses que mostram as rochas espaciais (e os seus representantes na Terra, os meteoritos) a uma nova luz.

As observações que efectuou em telescópios de infravermelhos, complementadas por estudos comparativos de meteoritos em laboratório, proporcionam várias conclusões interessantes. A primeira é que a “pedreira” de origem da maioria dos fragmentos que caem sobre o nosso planeta é a longínqua Cintura de Asteróides, situada entre Marte e Júpiter. Alberga numerosos objectos que datam da formação do Sistema Solar, há 4550 milhões de anos, e que não chegaram a transformar-se em planetas devido às perturbações gravitacionais de Júpiter. A segunda conclusão é que essa localização afecta não apenas a composição interna dos asteróides como as probabilidades de virem a colidir com a Terra, o que poderá ajudar-nos a encontrar formas de nos defendermos de um impacto devastador. Finalmente, Binzel e os seus colegas provaram que a gravitação terrestre pode, por sua vez, deixar marcas na superfície dos asteróides.

“É o caso do homem que morde o cão”, explica o especialista do MIT, acrescentando: “Os telescópios forneceram-nos dados sobre os chamados ‘objectos próximos da Terra’ [NEO, da sigla inglesa para near Earth objects], os quais são asteróides que viajam a menos de 48 milhões de quilómetros, e conseguimos comprovar que, se algum deles chegar a aproximar-se até uma distância de 95 mil quilómetros, pode sofrer um sismo suficientemente intenso para fazer subir rególitos (fragmentos rochosos, minerais e outros materiais não consolidados) até à sua superfície”.

Do mesmo modo que a atracção de Júpiter altera a fisionomia da sua lua Europa, a força de gravidade terrestre pode transformar um asteróide. “O mais surpreendente é que esse poder se manifeste em objectos que estão a uma distância que é 16 vezes o raio terrestre. A nossa gravidade é um milhão de vezes superior à desses corpos, mas, para a Terra poder produzir essa alteração, o asteróide tem de possuir determinada estrutura. Verifica-se apenas com os rochosos (os que qualificamos de classe S), e não com os de ferro fundido (classe M)”, esclarece Binzel. “Esses pedregulhos transformados por influên­cia terrestre não se podem observar na Cintura de Asteróides, pois ficam obscurecidos pelo Sol; porém, quando se aproximam, tornam-se visíveis.”

A espectrografia dos asteróides modificados coincide com os meteoritos caídos no nosso planeta que foram estudados por Binzel em laboratório. Isso permitiu resolver um dilema, pois os astrónomos procuravam compreender por que motivo não se conseguia encontrar no espaço asteróides compatíveis com os meteoritos descobertos na Terra. Quem poderia imaginar que se tinham tornado irreconhecíveis por estarem bronzeados pela luz solar?

“Está a produzir-se uma revolução no estudo dos asteróides”, afirma o astrónomo Clark Chapman, do Southwest Research Institute, no Colorado. “Antigamente, pensava-se que eram as colisões que causavam as alterações. Agora, sabemos que há mais personagens envolvidas na história. Talvez esteja a nascer uma nova ciência que se poderia chamar ‘sísmica de asteróides’. ” Binzel, que criou, entre outras coisas, a chamada “Escala de Turim”, uma ferramenta para determinar as probabilidades de colisão destes corpos com a Terra, descobriu também a razão pela qual as marcas espectrais (o reflexo e absorção da radiação electromagnética) dos asteróides da Cintura coincidem com as dos meteoritos encontrados no nosso planeta, assim como o motivo para terem viajado de tão longe: “É o chamado ‘efeito Yarkovsky’, que modifica as órbitas dos corpos espaciais em rotação, pois as diferentes faces da sua superfície recebem a radiação solar de forma desigual, o que faz que acabem por alterar a trajectória ao longo do tempo. O fenómeno torna-se mais acentuado nos objectos de menor dimensão, e é por isso que exerce tanta influência nos asteróides.”

Binzel acrescenta: “Dois terços dos objectos da Cintura de Asteróides equivalem a uma classe de meteoritos designados por ‘condritos LL’, que representam apenas oito por cento dos que foram descobertos. Pareceu-nos estranho que, havendo tantos asteróides desse tipo, recebêssemos tão poucos meteoritos equivalentes, e descobrimos que a causa é o efeito Yarkovsky, que limita o tamanho das rochas provenientes da Cintura.”

Os condritos LL são meteoritos ricos em minerais, como piroxeno e olivina, e pobres em ferro. “Conhecer a sua composição é importante para saber como desviá-los da Terra, pois são uma das principais ameaças para nós”, adverte Binzel. O grupo dos condritos em geral, que inclui várias espécies além dos LL, engloba os meteoritos mais comuns: representam 80% dos que chegam ao nosso planeta, enquanto existem apenas cem fragmentos de rochas marcianas ou lunares em instituições científicas de todo o mundo. A análise dos condritos é igualmente fundamental para se estudar a origem da vida, pois trata-se de rochas que não foram derretidas ou passaram por um processo de fusão, pelo que contêm informação sobre a síntese de compostos orgânicos ou a existência de água na Terra.

Estima-se que a Cintura de Asteróides seja formada por 1,9 milhões destes objectos com mais de um quilómetro de diâmetro, e por vários milhões de exemplares mais pequenos. Mais além, nos limites do Sistema Solar, estão situados os asteróides da Cintura de Kuiper e os corpos transneptunianos da Nuvem de Oort, o principal depósito de cometas adormecidos, ou sem actividade. A maior parte dos asteróides é porosa, de modo que metade é quase oca, segundo Binzel. Alguns têm luas, enquanto outros ocupam sistemas binários ou viajam em grupo, superficialmente unidos pela gravidade. Por outro lado, descobriu-se recentemente a existência de alguns asteróides com água gelada nas suas entranhas, que poderiam ter transportado para a Terra em tempos remotos. Outros, mais densos, são compostos por ferro e não passam de resíduos de núcleos mortos de asteróides maiores.

Alguns desses corpos são tão escuros que passaram despercebidos durante anos. Contudo, o telescópio espacial infravermelho WISE, da NASA, foi desmascarando pouco a pouco os objectos carbonáceos, que emitem muito pouca luz, graças a um rastreio verdadeiramente exaustivo, explica Binzel. Os cientistas estimam que haja cerca de cem mil asteróides e cometas nas proximidades da Terra, dos quais 20 mil têm possibilidades de atingi-la. A NASA localizou cerca de um terço, mil dos quais em órbitas potencialmente ameaçadoras.

Actualmente, há várias missões não-tripuladas com o objectivo de estudar os asteróides. A nave japonesa Hayabusa regressou, recentemente, de uma visita destinada a recolher amostras do asteróide Itokawa. Dawn, uma sonda da NASA propulsada por iões, dirige-se para a Cintura de Asteróides a fim de se encontrar com Vesta, uma das maiores rochas do Sistema Solar. Depois, numa manobra sem precedentes na história dos voos espaciais, sairá da órbita desse corpo celeste para viajar até outro, o asteróide Ceres. Todavia, talvez a mais emocionante de todas seja a missão Don Quijote, da ESA, cujo objectivo é o asteróide Apophis, de 270 metros, que se aproximará muito da Terra em 2029. A ideia é dar-lhe um pequeno toque na direcção oposta ao seu movimento. O plano envolve duas naves espaciais: Sancho estudará a composição do asteróide antes e depois do impacto, enquanto Hidalgo se encarregará da investida para modificar a sua direcção e velocidade.

“Conhecer a microporosidade e a densidade de grânulos de Apophis ajudar-nos-ia a calcular a energia que teremos de lhe aplicar”, afirma Binzel: “Sabemos que se trata de um condrito LL e que poderá regressar em 2036. A probabilidade de colidir connosco nessa data é de 1 em 250 mil. Se se verificasse, não devastaria o planeta, pois não possui dimensões para isso, mas provocaria muitos danos.”

“O método para nos defendermos de um asteróide dependerá, também, do tempo que tivermos. Se for superior a 30 anos, o plano Don Quijote é válido. Noutros casos, poder-se-ia recorrer ao chamado ‘tractor de gravidade’, que consiste em colocar uma nave espacial ao lado do objecto, para o desviar da sua órbita. Contudo, se a rocha tiver mais de 2 km e se estimar que possa chegar dentro de ­duas décadas, a melhor opção é uma detonação nuclear para alterar a trajectória”, indica Binzel.

Entre os apocalípticos, 2012 constitui uma data fundamental (já se escreveram rios de tinta sobre a alegada profecia dos maias, que vaticina para esse ano o fim dos tempos), mas os asteróides não podem, desta vez, ser considerados suspeitos. Segundo o especialista, não foi detectado qualquer corpo celeste em órbita de intersecção terrestre para essa altura. No entanto, as colisões são uma realidade: a Terra possui 170 crateras de impacto. A maior, Vredefort, na África do Sul, tem 300 km de diâmetro. E os dinossauros talvez ainda cá estivessem se tivesse existido um programa espacial anti-asteróides no seu tempo.

Os sete magníficos
Estes são os principais asteróides, com a classificação dos especialistas:

Ceres. Foi o primeiro a ser descoberto, em 1801. Agora, foi reclassificado como um planeta anão. Com 950 quilómetros de diâmetro e cor escura, é o maior objecto da Cintura de Asteróides. Classe espectral C (carbonáceo).

Vesta. É o segundo asteróide em termos de massa, o terceiro maior da cintura e o mais brilhante do Sistema Solar. Tem 530 km de diâmetro e uma cratera no centro com 456 km2. A sonda Dawn deverá chegar a Vesta em 2011, e a Ceres em 2015. Classe espectral V (semelhante aos rochosos).

Ida. Tem 56 por 24 km. A sua idade é um mistério, mas a quantidade de crateras que contém indica que deve rondar os mil milhões de anos. Classe espectral S (rochoso).

Eros. Foi o primeiro NEO (objecto próximo da Terra) descoberto e é o segundo em tamanho: 33 por 13 km. A sua órbita cruza-se com a de Marte, mas não com a da Terra. Classe espectral S (rochoso).

Gaspra. Tem 19 por 12 km. Descoberto em 1916, foi fotografado pela sonda Galileo em 1991. É alongado e jovem, quase sem crateras. Classe espectral S (rochoso).

Cleópatra. Trata-se de um asteróide metálico, de classe espectral M, em forma de osso e com 124 km de extensão. Provém do nucleo derretido de outro asteróide maior.

Apophis. O mais falado actualmente, pois existe uma possibilidade em 250 mil de colidir com a Terra em 2036. De classe espectral S, tem 270 metros e vai ser visitado por missões da ESA e da Rússia.


A.P.S.
SUPER 149 - Setembro 2010
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...